junho, 2010



Nosso menu de inverno nos jornais. Sucesso total!

25 jun

Nosso menu de inverno anda super festejado. Também, olha quanta coisa incrível: Charutinhos crocantes de cordeiro e rúcula em fondue de gouda com mandioquinha e redução de balsâmico com canela (hummmmmm),  Tartar de atum com teriaki de Juçaí, brotos e espuma de wasabi;  e Trio de Brownie.  Irresistível!

 

Dicas de Berlim!

15 jun

Agora Berlim. Acho que todo mundo já ouviu falar que ultimamente é em Berlim que o galo canta. Realmente a cidade impressiona corpo e alma. Não dá para ficar imune a um cruzamento do quartel general nazista com o muro de Berlim, num espaço propriamente chamado de topografia do terror… E bem ao lado deste choque histórico você se depara com o novo, o surpreendente: dentro do museu Martin Gropius Bau o artista Olafour Eliassonm faz sua primeira individual em Berlim. Super solar e refrescante. A cabeça não para. Compressões e descompressões. Esse é o ciclo da cidade, que renasce como uma flor na podridão. Pois é essa a sensação que Berlim passa o tempo todo. Esses alemães conseguiram se reinventar e renascer sem arrogância nem pretensão, afinal foi sofrimento demais por todos os lados. Aplicados e sofridos, ufa…

Enfim, vamos ao que interessa: dicas para quem vai pra lá. Antes de mais nada: tem que ficar hospedado no Mitte. Nem pense em ficar em outro lugar. É no Mitte que tudo acontece e que você pode caminhar para todos os lados. Já aviso que transporte lá é caro. O metrô é mais caro que na Inglaterra. E você acaba se animando para fazer tudo a pé. Curiosidade: não tem roletas para você entrar no metrô. O ticket é comprado em máquinas que você valida a cada viagem. Não fiquem tentados a não comprar ou não validar o ticket, pois qualquer pessoa (até mesmo um punk pode ser funcionário do metrô!!) pode exigir que você o mostre e se você não o tiver terá que pagar 80 euros… Bom voltando ao Mitte: a maioria dos museus, mercados, galerias de arte estão no lá ou a walking distance de lá.

Hoteis super incríveis no Mitte:  o Casa Camper é mais acolhedor, o Lux Eleven é mais moderno e Hotel Amano, mais chique.

Restaurantes: Aqui tem uma infinidade de opções deliciosas. O Monsieur Vuong (comida de wok, deliciosa, barata e cheia de gente bacana), Cafe Einstein, ( comida tradicional alemã extremamente bem feita e surpreendente na leveza. Não é barato), Cookies Cream (comida vegetariana, lugar badalado, dificil de achar e lindo de morrer), Curry 36 ( para comer a legitima salsicha feita com curry wurst. Bom você vai ter que provar pelo menos uma e a daqui vale a pena), Al Contadino sotto Le Stelle (comida italiana de primeiríssima. A galera da cozinha e do salão são todos italianos. Amei de paixão. Mais para quando o clima estiver friozinho. Provei algo que pode soar exótico, mas que era de uma leveza surpreendente: nhoque com massa de batata, morango e hortelã. E não era estranho. Era delicioso. Meu marido, que tem horror a pratos extravagantes, teve que dar o braço a torcer. Às vezes vale muito se arriscar, eu diria).

E tem o Solar… Esse restaurante é incrível (na verdade eu até fui a pé, mas tem que gostar de caminhar), fica no alto de um prédio, com uma vista vertiginosa de Berlim inteira. E depois de comer, TEM que subir para o bar no andar de cima, pois ali a balada rola chique e animada. Na verdade, o que recomendo mesmo é flanar pela cidade e entrar em qualquer restaurante que você ache interessante e que você se identifique com o casting, pois vai ser raro você se dar mal aqui. É no improviso que a gente se surpreende e se diverte.

Para o verão (que na verdade é agora): o hype do momento é badalar de dia!! No verão a cidade é cheia de opções para se divertir de dia e encontrar muita gente interessante. Tem o Bar 25 ( rola de dia e de noite) ao lado do Roi Spree, tem o Posto Oststrand, que é a praia dos berlinenses, com areia branca, cadeirinhas, restaurante e bar, o Posto Badeschiff  Arena, com uma piscina surreal dentro do rio, e o Club der Visionare, com um pier de madeira sobre o rio (tem cara de improviso mas é super disputado).

Feiras: Mauerpark, numa área que antes ficava no meio dos muros que dividiam a cidade

Já volto com o resto das dicas…

 
 

Sobre sabores e amores

12 jun

A gente também ama muito, e ama amar, por isso preparamos três percursos gastronômicos para você reviver, experimentar ou simplesmente descobrir as magias do amor nesse dia 12 de junho aqui no Zazá Bistrô.

Para reviver as paixões, os clássicos:  Tartar de atum com molho oriental de gengibre, gergelim negro e cebolinha servido com mousse de wasabi;  Curry de Frango Orgânico ao leite de coco com legumes e cogumelos ao molho de curry vermelho picante servido com arroz de cardamomo; e Duo de Brownie de chocolate amargo e Blondie de chocolate branco e amêndoas servido com sorvete fior de latte e calda de frutas silvestres

Para experimentar, os inéditos: Creme de tomate picante com trouxinhas de queijo feta e manjericão; Cordeiro com purê de feijão branco trufado e couve crocante;  Petit gateau de Nutella com sorvete de fior de latte

Para descobrir, as novas criações: Trio de rolinhos orientais; Camarões flambados com risoto ao limone;  Carpaccio de banana brulée sobre creme de ovos moles e canela com sorvete de tapioca. O preço por casal, para qualquer cardápio,  é de R$ 260.  Com uma garrafa de espumante, o valor é R$ 290. Venha se apaixonar!

 
 

Um pouco mais de Londres!

01 jun

De volta com mais dicas de Londres! Uma dica de insiders e imperdível e ir passear no Borough Market. Prepare-se para surtar com tanta coisa incrível, maravilhosa e que você vai querer levar TUDO para casa. Estamos falando de um mercado de comida. Programa ideal é ir na Tate Modern de manhã, sair andando em direção ao mercado, surtar e fazer suas escolhas (não dá para levar tudo) e depois pedir umas ostras no Wright Brothers (11 Stoney St). Eles vendem 12 tipos de ostras, believe or not, da Bretanha, Irlanda e Cornualha entre outros produtores certificados… e com champanhe gelado. É um must go!!!

Agora voltando para os restaurantes étnicos, não dá para perder o Moro, em Exmonth Market. Aliás, nas redondezas, você tem bastante opções: tem o primeiro gastropub de Londres, frequentado basicamente por londoners, o The Eagle (em Farrignton Road), além de um grego legítimo, o Kolossi Grill, daqueles que a família toda cuida desde a cozinha, servem as mesas e cuidam do caixa. Comida excelente e sem complicação. Salada grega e carneiro são perfeitos.

As shops (que ninguem é de ferro). A Worlds End, é a foto que ilustra esse post. É a primeira loja da Vivienne Westwood. Aqui riponga ela começou. E manteve a lojinha até hoje. Fofa, com um relogio enorme de 13 números que gira ao contrário. Vai lá. E passe n numa das eternas Topshop ( que dizem que vai abrir no Barsil, mas enquanto não chega…). A de Oxford Circus é a maior de todas. Ah, sim!, não deixe de visitar uma loja da All Saints. Não é barata, mas tem aquelas roupas podrinhas, incríveis, cheias de atitude. Male and female. Atenção nos jeans e botinhas.

Se procurar por opções baratas, vale se jogar na Uniclo, Primark e H&M. Aquelas camisetas de corte super legal, que aqui custam pelo menos 100 reais, lá tem por 7 pounds.
Bom, delícia mesmo é visitar os mercados de Portobello no sábado e de Spitafields no domingo (a de Portobello é beem mais bacana, com úma mistura de vintages verdadeiros, bugigangas antigas e é aberto. Spitafields tem mais opções de moda e é coberto. Se estiver com tempo, vá nos dois).
E não esqueça de pedir seus recibos sempre com VAT Free, para você requerer o refund back ao sair da Europa…)

Volto já com Berlim! Me aguardem!